A arma mais poderosa de um Bandido é a Assessoria Jurídica Inescrupulosa

0 94

Os trabalhadores, pessoas de bem que possuem formação moral e ética não aguentam mais ouvir falar em ações judiciais, Tribunais de Justiça, Supremo Tribunal Federal, liminar entre outros termos que, via de regra , tem sido escudos protetores de bandidos e o resultado final é a facilitação de algo que na boca do povo é absurdo, mas que por incrível que pareça, na caneta dos intelectuais, nos discursos dos mestres e doutores, a voz do povo é fruto da ignorância.

Vivemos em um Estado Democrático de Direito, portanto as normas deveriam ser manifestação do interesse público, contudo não é o ocorre, parece que os operadores do direito são donos da razão e suas lógicas exclusivamente voltadas a justificar exceções, ou seja, a lei existe por um motivo, mas parece que sempre haverá uma vítima da sociedade que servirá de fundamento para reconsiderarem as razões da existência de determinada regra.

É o bandido que tenta cometer homicídio e é considerado doente

O ladrão que rouba, mas o flagrante considerado ilegítimo por um detalhe qualquer. A associação criminosa que age tranquilamente e é acobertada por direitos humanos que ignora as ações ilícitas e clama pelos direitos de ir, vir e permanecer e, de forma descarada, ainda diz que o governo tem que garantir moradia aos marginais.

O cidadão que tem seu carro destruído por usuários de entorpecentes que, para responsabilização penal, a mídia considera um doente, mas quando o malandro registra uma denúncia é ouvido como se fosse um doutor em direito.

O povo que sofre restrições para caminhar nas ruas em virtude do número de assaltos, mas pelo fato dos assaltantes serem usuários de drogas, quem reclama é que passa por egoísta. Juízes inescrupulosos que nunca entraram em uma favela, desconhecem o cheiro de um vagão de trem ou do ônibus lotado, mas que por serem conhecedores de doutrinas e estudos teóricos que na prática não funcionam, julgam-se senhores do conhecimento e determinam ordens que mudam negativamente a vida daqueles que tem a verdadeira experiência da qual um julgador deveria ter e jamais terá.

Homens e mulheres que, pelo fato de serem oriundos de universidades conceituadas, desconsideram o valor empírico em suas decisões, fato que os fazem ficar prostrados ao crime organizado que está dominando o país apenas com ideologias e uma liderança que inspira simpatia através de uma falsa empatia.
Se os tais doutores fossem tão bons quanto imaginam ser, hoje o PCC não estaria ostentando status de poder e de influência.

Incompetentes!

Se não há incompetência, então devemos falar de corrupção, a julgar pelo fato de que o crime organizado está com um poder que, caso as carreiras jurídicas fossem garantidas pela eficiência, certamente o Poder Judiciário teria poucos servidores com antiguidade.

A Ciência Jurídica não é levada a sério no Brasil, por isso somos o país em que bandido é o “coitadinho”, uma nação em que Direitos Humanos só servem de tese de defesa em prol de gente suja, uma militância que ignora tráfico de drogas e sua periculosidade, fundamentações que distorcem as regras de maneira ardilosa, uma astúcia maligna que fez com que o tema “Direitos Humanos” se tornasse alvo de aversão por maior parte das pessoas de bem.

O Direito é uma ciência social que tem como foco o estudo das leis, objetivando torná-las instrumentos facilitadores do bom convívio social e de aplicação da justiça, promovendo a harmonia e o bem comum, portanto os operadores do direito tem a supremacia do interesse público como sua principal analogia , em outras palavras, como os romanos, maiores juristas da sociedade afirmavam , “ Ubi societas, ibi jus”, traduzindo, “Onde houver sociedade, aí haverá o Direito, portanto a rigidez formal dos enunciados não são suficientes para fazer justiça.

Cada um pega um enunciado de um texto e interpreta de acordo com a conveniência ou causa que está defendendo.

Talvez ninguém tenha percebido, mas estamos atravessando uma fase onde a imoralidade está sendo maquiada por decisões judiciais ou discursos cheios de artigos de lei. Analogia é um resgate, uma busca pelas razões da qual determinada regra foi estabelecida e, dessa forma, aplicá-la da forma mais coerente.
Hermenêutica Jurídica diz respeito à interpretação das normas, estabelece métodos para compreensão com elementos textuais e extra-textuais, envolve pesquisa com propósito de dar sentido e alcance a norma.
Onde está a analogia e a hermenêutica nas interpretações jurídicas que envolvem as problemáticas referentes a cracolândia?

Alguém tem dúvida que na cracolândia há atuação de uma organização criminosa?

Diante de tanto roubo, vandalismo, um ponto de venda de drogas, palco de homicídios, inclusive de policiais e ainda há juízes e promotores que acreditam que ali deve haver tolerância e a permanência do público que oferece resistência.

O povo não aguenta mais tanta hipocrisia, falta de vergonha e descaso com as dores daqueles que sofrem as consequências.

Ativistas, militantes e religiosos que demonstram interesse na existência da cracolândia é algo compreensível, tendo em vista que provavelmente eles tiram proveito da situação, mas os demais é algo preocupante.
Será que as carreiras jurídicas carecem de “estágios na vida real” ou os profissionais fecham os olhos para nãocontrariarem um sistema do qual estão subordinados?

Para quem não entendeu:
A bandidagem está organizada, trabalham com ideologias, “driblam” a norma penal e usam o direito como instrumento de proteção, estão investindo na cobrança por direitos, muitos direitos que nem deveriam ter.
Se o direito não socorre aos que dormem, ele socorre aos que erram pedindo socorro!

As vítimas são as pessoas mais simples, os trabalhadores e aqueles que confiam no sistema, tendo em vista que é um público que nem imagina que surgiu uma nova categoria de bandidos que promovem ações sociais, falam em direitos, estão sempre sorridentes e pregam paz, mas nos bastidores estão ligados ao crime organizado.
Bandido é bandido é ponto final!
As leis, os costumes, a jurisprudência, doutrina e analogia são fontes do direito, mas infelizmente como o costume do povo é contrário a vontade dos poderosos, estes estão IMPONDO um costume que não nos diz respeito e pregando como verdade, razão pela qual as decisões judiciais tem favorecido aos bandidos.
Não é costume do povo acolher traficante, justificar roubos e facilitar a permanência de locais que servem de depósito de drogas, mas a imprensa e “alguém” muito influente quer que tudo isso seja repassado como interesse coletivo.
Nesse sentido, “a voz do povo é a voz de Deus”, mas tapam os ouvidos quando o povo fala.

Conversinhas como redução de danos, legalização das drogas, moradia para os ocupantes da cracolândia, doações a menos dez metros das barracas que vendem drogas e truculência policial só convencem aqueles que não conhecem a realidade ou os próprios promotores da ideia, porque aqueles que são contra a criminalidade e que tem em seus discursos a verdade e não teorias, sabem da desgraça que tais teorias tem representado.

Você acha que o texto é tendencioso?
Colabore com sua verdade, publique um vídeo passeando na cracolândia, filme a parte do interior do fluxo e nos mostre o que ocorre atrás das lonas que são montadas, e por fim, convide um policial para adentrar e averiguar tudo que ocorre lá dentro.
Teorias podem ser bonitas, mas a verdade é o que tem validade.

Ao navegar você concorda que use cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site. AceitarLeia mais